Lose Yourself Here

We are Just Musically Speaking

  “Music is my religion.” — Jimi Hendrix  

Filho da Mãe – “Água-Má”

“Não consigo dominar   Este estado de ansiedade   A pressa de chegar   Pra não chegar tarde.” António Variações Ao fim de tantos anos, poucos somos os que perceberam realmente esta letra embora todos a saibam de cor. Prazos?! “É para ontem!”. “O próximo concerto é noutro palco, despachem-se!”. “E o artigo? Onde anda?”. Estamos sempre com tanta pressa, pouco aproveitamos o que temos à frente. Tenho 23 anos, não sou Aristóteles, mas já consigo pôr a cabeça a funcionar de vez em quando! E há por aí um regra moral qualquer que me dita a não fazer as

Borregos

Deve ser mesmo lixado ser músico em Portugal. Muitos passam uma vida inteira sem nunca conseguirem sequer viver desta arte, enquanto olham pela janela e pensam na Taylor Swift e em quanto dinheiro ela varre cada vez que pisa um palco devido à atitude desenfreada de pitas histéricas que necessitam de estar ali a verem aquilo, que nunca vão ser para continuarem a viver. Esta realidade não é única ao nosso país. Muitos australianos, espanhóis e americanos indignados com esta visibilidade absurda que tem a música comercial merdosa de hoje em dia. Também não vale muito a pena comparar a

Festival “A Porta”

Estive à conversa com o Gui Garrido que para além de um jovem bastante bem disposto é também a cara do Festival “A Porta” a realizar em Leiria desde do dia 16 e que se estende (e bem!) até dia 24! Como em muitos outros festivais organizados pelas bonitas Terras de Portugal este também tem o objetivo maior de animar aqueles que lá vivem com música que não costumam ouvir todos os dias (pelo menos ao vivo) num formato que leve a despertar também a curiosidade pela região. Estivemos no Impulso  onde num dia vimos todas umas Caldas da Rainha reunidas

Primavera Sound – Setting the Bar High

Oporto. Or as we say correctly in Portuguese, just Porto; if we started adding random “O”‘ to the names of cities let’s start with New YorkO. A city filled with traditions that we all appreciate when coming, from the “Francesinha” that recently saw the death of its birthplace the restaurant “Regaleira” to the traditional Portuguese accent from this part of the country. Both are attempted in Lisbon but only in Oporto you can find the good and original one! However we are here to discuss NOS Primavera Sound which happens not only here as it does in Barcelona. However the

Interviewing: Rolling Blackouts Coastal Fever // Review “Hope Downs”

The rain wasn’t expected. However even if there was some the RBCF totally eliminated its influence with their Summer vibes. Primavera Sound, Porto, last Saturday, they gave the last concert of their World Tour and as a consistent and solid band that they already are they have an album to release and prepare to Tour again! “Hope Downs” is only their first album  which resembles the feat of all the recognition that “French Press” EP got. The Melbourne quintet has challenged the idea that from Australia one could only hear some of the best psychedelic rock ever existent. However they

Lusitanian Ghosts – Revamping Traditions

There are traditions that are worth to be kept for longer than the usual human life span. For this to happen there is a need for this tradition to be passed through generations while reinventing itself in a way that adapts to the new tastes as well as keeping its origins. And this is a mission that not many can do as well as the Lusitanian Ghosts, that picked up some of the best string instruments from the ancient Portuguese traditions, and gave their own interpretation to them while always keeping the Folk-Pop vibes in their music. It’s one of

Os Capitão a ouvir Zarco e Vice-Versa

Os Capitão a ouvir Zarco e Vice-Versa TAVA NUM BAR A OUVIR UM SOM! TAVA NUM BAR A OUVIR UM SOM! E qual bar que não os Loucos e Sonhadores, decerto inspiradores desta bela ode à vida do maratonista de bares do bairro que vive dentro de nós a cada noite que decidimos viver a boémia. Pois não conheço melhores instrumentalistas para pintar tão bonita música que os descobridores psicadélicos Zarco. Aventureiros por natureza tem vindo a fazer jus à música tocada por amor, com muita vida de Rock & Roll à mistura que em palco atinge a sua expressão

Impulso Fest – A Primazia da Qualidade no dia 23 de Maio

Numa primeira tentativa que muitos anunciaram que poderia ser única, o que já nos foi desmentido pela organização, que afirma que a expetativa e esperança de repetir esta bonita experiência em anos futuros é imensa, as Calda da Rainha demonstraram que sabem receber bem, num local íntimo e oferecer a melhor qualidade de som possível para o espaço. Foi com a coordenação de dois docentes, Nuno Monteiro e Tiago Sábio que os estudantes da Escola de Som Arte e Design das Caldas da Rainha edificou aquele que foi um festival único. O centro da Juventude das Caldas da Rainha foi

Entrevistámos o Impulso!

Nuno Monteiro, ex-aluno e agora docente da ESAD, no curso de Som e Imagem e técnico de som de muitos artistas que tocam nas  nossas playlists diariamente, teve a simpatia de falar comigo e explicar como aconteceu este Festival ao qual teremos o prazer de assistir. A razão de existência é nobre! No concelho das Caldas da Rainha há mais de 2000 jovens que não tiveram até agora um evento de divulgação musical perto de casa e Nuno acredita que para além destes muitos mais, como nós, irão visitar e conhecer pela primeira vez este concelho encantador! Para além disso,

Nick Suave: “I Speak Rock & Roll”

Depois de um ótimo almoço no “Café com Calma” em Marvila, onde a carteira não sofre nada, foi nessa mesma pérola lisboeta que me sentei na esplanada a tomar café com Nick Suave: Comecei por lhe chamar “Rei da Margem Sul”, ao que respondeu “Qual Rei?! A Margem Sul não é uma monarquia”. E foi com este tom de humildade que se estendeu a entrevista. Nick, também conhecido até completar o 4ºano de escolaridade por Carlos Ramos, é um daqueles verdadeiros amantes e difusores do Rock&Roll. Nesse mundo é mais conhecido por Nick Nicotine, apesar de ter começado a fumar

Erlend Oye: Grazie Amico!!

His music tastes like those breakfasts in Summer when one is in vacations and the only worries are “Which beach are we going today?”. His band is made up of three really relaxed fellas from Sicily, where he has been living for the last six years in Syracuse with his mother. And He is a character. Erlend has his Italian on point and it was in this beautiful language that he used for more than half of the show. As they entered the stage we knew we were in for a great one and that the only problem would be