Lose Yourself Here

Festival “A Porta”

Estive à conversa com o Gui Garrido que para além de um jovem bastante bem disposto é também a cara do Festival “A Porta” a realizar em Leiria desde do dia 16 e que se estende (e bem!) até dia 24! Como em muitos outros festivais organizados pelas bonitas Terras de Portugal este também tem o objetivo maior de animar aqueles que lá vivem com música que não costumam ouvir todos os dias (pelo menos ao vivo) num formato que leve a despertar também a curiosidade pela região.

Estivemos no Impulso  onde num dia vimos todas umas Caldas da Rainha reunidas em festa à volta de boa música e assim esperamos ver a cidade ainda maior de Leiria onde a Rua Direita (todas as cidades têm uma rua com este nome e importância histórica) se ilumina e recebe o Festival que para além de “ter um nome um pouco quadrado” como diz o Gui, acaba por ser o mais adequado! Um dos bons exemplos desta revitalização que o Festival já conseguiu dar ao centro da cidade foi que nessa mesma rua não torta, hoje em dia, existe o “Atlas Hostel” num dos locais que o Festival reanimou!

Num leque de mais de 30 concertos ao vivo apenas três são pagos! E a Câmara de Leiria até tem vindo a ajudar, e cada vez mais, mas sabe tanto ela como nós como o Gui que uma iniciativa destas merece TODA a ajuda por parte das instituições e não “alguma” ajuda como tenho de ouvir muitos promotores lamentar… A generosidade dos artistas ~e agradecida, e neste caso foi regra geral de forma  a que esta bonita iniciativa se continue a realizar. Com a ajuda também preciosa de António Pedro Lopes (Festival Tremor) na divulgação deste festival multidisciplinar foi com muito prazer que conheci mais uma das boas iniciativas do meu País! Para além dos concertos, dos quais relevamos First Breath After Coma já dia 20 e no dia seguinte Dead Combo, existem vários workshops infanto-juvenis para a pequenada começar já a ter contacto com a arte e o que de belo conseguem fazer através da mesma (vai lá estar a Mariana Miserável de quem tanto gosto, a ilustrar canções); na Casa Plástica teremos a exposição “Esta Casa Já Deu Luz” com variados artistas a utilizar a luz como ponto de partida e chegada das suas obras, também em honra dos passados relacionados à EDP que a mesma já teve e cruzando com a vontade do Festival de iluminar cada vez mais Leiria e finalmente a minha iniciativa favorita, os Jantares Temáticos que já são imagem de marca do festival por trazerem à vida o expoente máximo de abrir TODAS as portas da cidade de Leiria: 4 jantares com sabores do mundo e com direito a sobremesa musical. Os convivas reúnem-se em casas privadas e celebram um encontro às cegas, fazem novos amigos, conhecem música e aproximam-se da generosidade e diversidade dos 1001 mundos e comunidades que vivem na cidade. O jantar francês e nepalês ( dia 18) têm sobremesa musical de Carollyne e do laureado Novas Bandas EDP Churky, respectivamente;  e o jantar mexicano e japonês ( dia 19) têm a música dos estreantes 001 e Coringas.  Depois da abertura das inscrições, todos os jantares temáticos esgotaram em 30 minutos, através de inscrição online… Conceito provado. O pessoal gosta de festivais, gosta de abertura de Portas e de cabeças e principalmente tudo isto regado com Boa Música, copos e amigos e estão as condições ideais reunidas para um grande Festival.

Ontem já lá estiveram os Pais do Punk “The Parkinsons” a partir tudo! Para além deles e dos que já dissemos acima (que são também os 3 concertos pagos) temos gratuitamente nomes como Nice Weather for Ducks, Emperor X (Americano a viver em Berlim que engraçou com o conceito, vão checkar), Conan Osiris e o sonho do Gui, ver o Bonga num festival por si orientado, visto que as suas raízes levaram a que os pais fossem grandes fãs e ele também! Mariquinha vai a Leiria! E vós que esperais?

Fica o convite. Como termina e bem o Gui Garrido “Devagarinho Vamos Mudando o Mundo”. A parte dele está feita e a minha também! Faltas tu! Abre A Porta de casa e foge já para lá!!

%d bloggers like this: